terça-feira, 6 de dezembro de 2011

João 13.34-35: Cristo Nos Ordena a Amar os Nossos Irmãos

Leitura: João 13.1-33                   Pr. Alexandrino Moura
Texto: João 13.34-35

Amados irmãos no Senhor Jesus Cristo e prezados ouvintes!

O capítulo 13 do evangelho de João marca um momento decisivo no ministério de Jesus Cristo. O ministério público de Jesus junto ao povo de Israel tinha completado o seu curso e terminado em completa rejeição da parte deles a Jesus como o Messias. No primeiro dia da semana Jesus tinha entrado em Jerusalém em triunfo aos gritos entusiásticos do povo. Mas, o povo de Israel nunca entendeu o seu ministério e nem a sua mensagem divina. Pois em um dia estão dando honra a Jesus como se Ele fosse rei. Em outro momento estão gritando para crucificar a Jesus. Ele veio para o seu povo, os judeus, “e os seus não o receberam” (Jo 1.11). Então, por causa da rejeição e incredulidade dos judeus, Jesus antes da sua morte, passa as últimas horas de sua vida ensinando e encorajando os seus discípulos. Pois é a última noite em que Ele vai estar com seus discípulos antes de sua prisão, crucificação e morte. Falta algumas horas para Ele ser preso como um criminoso; acorrentado; cuspido; zombado; insultado e crucificado.


Mas antes de sua morte Ele quer ensinar a seus discípulos acerca do reino de Deus. Pois Ele está preocupado com seus discípulos. Ele sabia que após a sua morte os seus corações iriam se encher de tristeza. Por isso Ele faz questão de ensinar seus amados discípulos a confiarem em Deus. A primeira coisa que Ele ensinara naquela última noite foi sobre a humildade. Foi uma lição que nenhum dos seus discípulos esqueceram. De uma maneira amorosa e muito forte, Cristo reprova o orgulho humano e estabelece a humildade na vida cristã. Depois de lavar os pés dos discípulos, Jesus se senta a mesa e diz: “Ora, se eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também” (Jo 13.14-15). Essa humildade é a prova de um coração cheio de amor. Por isso em seguida Jesus disse para seus discípulos: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (Jo 13.34-35). E, é exatamente sobre este amor que eu irei pregar nesta noite.
Eu vos proclamo a palavra de Deus no seguinte tema:

Tema: Cristo Nos Ordena a Amar os Nossos Irmãos
1. O Motivo de Cristo Exigir de Nós o Amor a Nossos irmãos
2. A Maneira de Amar Nossos Irmãos
3. A manifestação do Nosso Amor no Mundo

1. O Motivo de Cristo Exigir de Nós o Amor a Nossos irmãos

Irmãos, por que Jesus Cristo diz: “Novo mandamento vos dou: que ameis uns aos outros”? Por que Ele faz questão de exigir que amemos a nosso irmão? Ele exige amor de nossa parte para com nosso irmão por causa da queda no pecado. O homem foi criado para viver e não para morrer. Ele foi criado para a amar a Deus, seu Criador, e viver com Ele em eterna alegria para todo sempre. Mas quando o homem pecou, o amor que existia entre Deus e o homem foi quebrado pelo pecado. O homem passou a ser um ser que odeia seu criador. Ele odeia tudo o que Deus ama. Pois todas partes do homem se corromperam e ele é inclinado a odiar a Deus e seu próximo. Nós vemos isso logo no início após a queda. Vemos o casal, Adão e Eva, colocando a culpa um no outro; em seguida vemos Caim matando seu irmão Abel; mais adiante vemos Lameque matando um homem porque o feriu e matando outro homem somente porque o pisou. E esse ódio vai aumentando a cada dia entre os homens. A maldade do homem era muito grande quando Deus resolveu matar a todos os homens da face da terra com o dilúvio e começar uma nova humanidade com Noé e sua família. Porém, mesmo assim o pecado ainda está em Noé e sua família. E a geração que vem após Noé continua pecando contra Deus e seu próximo. Não vemos amor dos homens para com Deus e nem amor entre os homens. Os homens não amam a ninguém, a não ser o seu próprio ego. Não vemos ninguém mostrando o amor que Deus exige dos homens. Por isso Paulo está dizendo em Romanos 3: “Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer. A garganta deles é sepulcro aberto; com a língua, urdem engano, veneno de víbora está nos seus lábios, a boca, eles a têm cheia de maldição e de amargura; são os seus pés velozes para derramar sangue, nos seus caminhos, há destruição e miséria; desconheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos” (Rm 3.10-18). É por causa do pecado que Cristo exige que amemos uns aos outros. Ele não que ver ódio entre nós, mas amor! Por isso Ele nos dar o motivo de nos amar mutuamente e o motivo é que Ele nos amou tanto que nos escolheu em seu eterno amor! João 15.16 diz: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda”. Jesus deixa bem claro que foi Ele quem escolheu a seus discípulos. Não existia nada em seus discípulos ou em nós que motivasse o amor de Cristo por seus discípulos e por nós. Mas, foi o seu eterno amor que nos escolheu. Como Paulo diz em Efésios 1.4-5: “assim como nos escolheu nele (em Jesus) antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade”. A nossa eleição é baseada no amor do Pai para conosco por causa de Cristo. Não por causa de nossos méritos. Mas somente por causa do seu imenso amor.

Em 1 João 4.10 diz: “Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados”. E no versículo 19 ainda diz: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro”. Cristo exige que amemos os nossos irmãos. E qual o motivo para esse amor? O motivo é o seu amor em nossas vidas. Ele nos amou primeiro e não nós a Ele. Ele tomou a iniciativa em nos amar quando éramos seus inimigos e lutávamos contra Ele, seu reino e sua Igreja. aquele amor que existe antes da queda do homem no pecado que foi quebrado, Ele restaurou em nossa vida. Pois existe um ódio imenso dos homens para com Deus. Pois os homens não querem obedecer a Deus e nem se sujeitar ao seu governo. Pois há uma hostilidade entre Deus e os homens. Deus derrama sua ira sobre os homens por causa de seus pecados. E nós não éramos diferentes dos ímpios lá fora. Nós éramos inimigos. Não havia paz entre nós e Deus. Apenas ódio de nossa parte para com Deus.

E, é aí que nós vemos o amor de Deus em nossa vida através de seu Filho Jesus Cristo. Deus nos reconciliou consigo mesmo! Romanos 5.8 diz: “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores e o versículo 10 diz: “Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida”. Deus nos reconciliou consigo mesmo quando ainda éramos seus inimigos e não fazíamos caso de sua vontade. Nós que éramos inimigos de Deus, Ele nos tornou seus amigos; nos reconciliando consigo mesmo. Tirando a hostilidade que havia entre nós. Ele cessou a guerra entre nós e Deus; e entre nós mesmos. Ele trouxe paz entre Ele e nós e entre nós mesmos. Essa reconciliação podemos chamar de amor. Existe motivo mais lindo do que esse para Cristo exigir que nós amemos uns aos outros? João 3.16 diz: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Deus nos amou tanto que deu o bem mais precioso que Ele tem... o seu Filho Amado.

Paulo diz em 2 Coríntios 5.18-19 o seguinte: “Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação”. O motivo de Deus exigir que amemos uns aos outros é que Ele nos amor primeiro com um imenso e terno amor. Um amor que não se pode explicar em palavras, mas nas ações de Deus, em Cristo, vemos um amor lindo e maravilhoso. Um amor perdoador; um amor doador. Porque Deus doou seu próprio Filho por amor de nós. Para desfazer o efeito do pecado em nossas vidas. Onde o pecado nos separou de Deus e nossos irmãos. Então, Deus restabelece através de Cristo novamente uma comunhão de amor entre Ele e suas criaturas; e entre nós homens e mulheres.

Esse amor podemos ver nas páginas das sagradas escrituras. Pois Ele envia pregadores para mostrar esse amor reconciliador. 2 Coríntios 5.20 diz: “De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus”. A pregação do evangelho é para reconciliar pecadores com Deus através de Cristo Jesus. E também para reconciliar pecadores no mesmo amor de Cristo. E, é isso que nós vemos na Ceia do Senhor. Onde pecadores totalmente diferentes estão sentados a mesa do Senhor com a mesma esperança e confiança nas promessas de Deus. Ele nos reúne na mesa do Senhor para mostrar que a sua obra de reconciliação através do sacrifício de Cristo é uma realidade em nossa vida. Porque estamos juntos com a mesma fé – mesmo nós sendo tão diferentes. Porque Ele nos reconciliou consigo mesmo e também nos reconciliou em um só amor em Cristo Jesus. Esse é o motivo porque Cristo exige que nós amemos mutuamente.
Mas qual é maneira que devemos amar nossos irmãos? Isso nos leva ao segundo ponto do sermão.

2. A Maneira de Amar Nossos Irmãos

Irmãos, qual a maneira de amar nosso irmão ou irmã? Na sua primeira carta 3.18 o apóstolo João diz: “Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos”. Amar é a virtude a ser cultivada na vida cristã. João está dizendo para não amarmos com superficialidade, ou seja, com um amor hipócrita! Um amor que não passa de uma mentira. Esse tipo de amor o mundo está cheio. Vemos esse falso amor nas novelas e filmes; nas pessoas no mundo; nos relacionamentos entre as pessoas nesse mundo. O que eles chamam de amor é na verdade egoísmo. As pessoas nesse mundo amam por interesse. É um amor interesseiro. É um falso amor que nem merece ser chamado de amor.

Porém, o amor que Cristo exige de nós é um amor diferente do que estamos acostumados a ver nesse mundo. Pois a maneira como devemos amar nosso irmão e irmã é diferente. Devemos amar os nossos irmãos e irmãs como Cristo amou! Jesus diz o seguinte: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros” (Jo 13.34). Ele diz que devemos amar uns aos outros. Mas não amar como o mundo ama; com um egoísta e hipócrita! Jesus diz que devemos amar “assim como Ele nos amou”. E qual a maneira que Ele nos amou? De que maneira podemos ver esse amor em Cristo? Irmãos, o amor de Jesus cristo é um amor sacrificial! Ou seja, Ele sacrificou a sua vida por amor de nós. O amor verdadeiro, conforme a Palavra de deus, deve ser igual ao amor de Deus em Cristo Jesus. O amor não é um sentimento em primeiro lugar. O amor vem sim acompanhado de um sentimento – como de um homem por uma mulher ou de uma mulher para com um homem, por exemplo. Mas, se definirmos o amor dessa maneira não estamos falando do amor verdadeiro. Paulo diz em Efésios 5.25: “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela”. Se vocês prestarem atenção ao que Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, está falando, vocês não vêem Paulo falando de sentimento. Mas ele diz que o amor é sacrificial! Ele diz que o marido deve amor a sua esposa assim como Cristo amou a sua Igreja que “a si mesmo se entregou por ela”. Esse é o verdadeiro amor. Ele é sacrificial; ele é doador! O verdadeiro amor se doa a outra pessoa. Cristo se doou a Igreja a ponto de se entregar a morte por amor a sua Igreja. o amor de Cristo é um amor praticado. Ele não apenas fala sobre o amor, mas ele pratica o amor.

Irmãos, Jesus durante toda a sua vida na terra, a sua vida foi uma vida de renúncia por amor a sua igreja. ele desceu do céu se humilhando em figura humana; nasceu em um estrebaria e foi deitado em um cocho; pregou em sua terra natal e foi rejeitado; alimentou uma multidão e foi abandonado; mostrou um amor perfeito a todos os seus discípulos, a inclusive a Judas Iscariotes, mas mesmo assim ainda foi traído por um dos seus discípulos; foi vendido por trinta moedas de prata e traído com um beijo no rosto; foi como um criminoso; acorrentado; escarnecido; espancado; chicoteado; esbofeteado; cuspido; seus amigos lhes abandonou; ficou sozinho perante os ímpios; carregando todos os nossos pecados; foi levado ao lugar de morte; foi crucificado cruelmente; gritou em agonia infernais; seu Pai lhe abandonou no momento que mais precisava. Porém, Ele quis derramar sua vida na cruz do calvário por amor de nós. Por amor de nós Deus Pai matou seu próprio Filho. Como João 3.16 diz: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Deus deu... Ele deu o seu Filho Unigênito a nós. Para morrer por nós na cruz. Deus fez um sacrifício imenso em nos dar o seu único Filho. Por isso eu falei que o amor é sacrificial! Porque ele está disposto a si doar, a si dar pelo bem da outra parte amada. Um amor que se baseia apenas em sentimento não está disposto a si entregar pelo bem da outra pessoa. Cristo diz que devemos amor como Ele nos amou. E como Ele nos amou? Entregando-se na cruz do Calvário! Morrendo em nosso lugar, sem esperar nada em troca de nossa parte. Essa é a maneira que Jesus quer que amemos a nosso irmão e irmã!

Ele disse: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros” (Jo 13.34). O que Ele quis dizer com essas palavras? Será que o mandamento de amar é um mandamento novo? Não, não é um mandamento novo! Em Levítico 19.18 diz: “Não te vingarás, nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR”. E Provérbios 20.22 diz: “Não digas: Vingar-me-ei do mal; espera pelo SENHOR, e ele te livrará”. Em todos esses textos que acabei de citar, o SENHOR está reprovando o desejo de vingança e ódio contra o próximo. Mas Ele está exigindo amor para com o próximo. Então podemos ver que o amor ao próximo não é um mandamento novo, mas antigo. Pois ele é um resumo do amor a Deus e ao próximo.

A novidade em João 13.34 quando Jesus diz que “novo mandamento vos dou” é que devemos amar uns aos outros “como ele nos amou”. Pense na vida de Cristo! Seu exemplo de amor constante; pense na sua vida como um sacrifício de amor; é esse amor que devemos amar a nosso próximo. Amando de uma maneira voluntária, sem esperar nada em troca.

Irmãos e irmãs, a maneira de amar que Jesus exige de nós é imensa. Não é uma forma qualquer de amar, mas é um amor sacrificial. Um amor onde devemos nos sacrificar, quando possível, pelo nosso irmão ou irmã. Devemos nos dar, nos entregar em amor a nosso irmão. Devemos, se for o caso, morrer até pelo nosso irmão ou irmã! É isso que 1 João 3.16 diz: “Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos”. Irmãos e irmãs, Jesus Cristo quer que amemos a nosso irmão assim como Ele nos amou. Ele nos amou morrendo na cruz em nosso favor. E o que Ele exige de nós é um amor igual ao dEle. Por isso, devemos estar dispostos a nos sacrificar pelos nossos irmãos. Sofrer com eles e nos alegrar com eles. Devemos ser um em espírito e em verdade.

Irmãos e irmãs, “não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade”. O amor está em ajudar a nosso irmão ou irmã. O amor é ativo e se compadece. Ele age quando um irmão passa fome; ele age quando ver um irmão ou irmã vivendo em pecado e caminhando para o inferno. Ele não fica esperando apenas olhando, mas vai até aquele irmão ou irmã e chama-o de volta para Cristo. Ele chama o pecador ao arrependimento com palavras duras, mas firmadas na palavra de Deus. Ele não deixa o pecador ir para o inferno. Amor não é ver seu irmão pecando e não fazer nada. Em vez de fazer algo para livrar seu irmão ou irmã do inferno, fica falando, fofocando da vida do irmão que está precisando de apoio. Se você não ajuda a seu irmão que estar caminhando para o inferno, mas fica falando dele. Eu lhe pergunto se você é uma nova criatura; eu questiono a sua fé em Deus; eu questiono o seu amor; eu questiono se você está andando na luz. Pois 1 João 3.9 diz: “Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus”. Aquele que não faz nada para impedir que seu irmão se perca, estar dizendo que odeia a seu irmão. Ele está em trevas. Não conhece a Cristo e, é descrente. Porque “O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1 Co 13.4-7). Esta é a maneira que Cristo quer que amemos a nosso próximo.

3. A Manifestação do Nosso Amor no Mundo

Como as pessoas nos conhecerão como discípulos verdadeiros de Cristo? Será através de milagres? Curas? Interpretação de sonhos? Como os ímpios conhecerão que somos discípulos verdadeiros de Cristo Jesus? Jesus cristo responde em João 13.35: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros”. Nós seremos conhecidos como discípulos de cristo pelo nosso amor ao próximo. Quando amamos de verdade o mundo pode observar e perceber que somos de Cristo. Que somos diferentes deles. Atos 2.47 diz: “louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos”. A maneira como os cristãos da igreja primitiva viviam era muito lindo. Pois havia amor no meio da igreja. se podia sentir o aroma suave do amor de Cristo no meio da igreja e na vida dos irmãos. Esse amor era tão grande que a igreja contava com a simpatia de todo o povo. O povo podia ver o amor na vida de cada cristão. Quando eles estavam juntos e como cuidavam um do outro; como se doavam em favor dos irmãos. Eles colocaram em prática o que Cristo ensinou por palavras e atos. Um amor doador; um amor sacrificial. Pois ninguém buscava os seus próprios interesses, mas tinham tudo em comum. João 15.12 diz: “O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei”. E em 1 João 2.10 diz: “Aquele que ama a seu irmão permanece na luz, e nele não há nenhum tropeço”. Quem ama a seu irmão anda na luz de Cristo. Mas quem não ama vive nas trevas e o amor do Pai não está nele.

Irmãos, a melhor maneira de ganhar as pessoas para Cristo é mostrar o amor de Cristo em sua vida. Pois não adianta nada falar de Cristo e de seu reino, se você não vive o que fala. A sua conduta como um cristão verdadeiro tem mais impacto na vida de um descrente que mil palavras. Não basta apenas falar de Cristo; é preciso viver para Cristo e com Cristo. Se você quer ganhar pessoas para Cristo, você deve viver com Cristo. Deixe as pessoas ver Cristo em você; deixe a luz de cristo ofuscar a visão de quem anda nas trevas; seja a luz do mundo; seja o guia para quem não tem esperança; seja a luz de Cristo em meio a este mundo corrompido; mostre o amor de Cristo na sua vida e todos conhecerão que você é um discípulo verdadeiro de Cristo. Amemo-nos uns aos outros; “não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade”.
Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário